Skip to content
Home » Curso de copeira hospitalar senac – Alimentação x Hospital

Curso de copeira hospitalar senac – Alimentação x Hospital

Curso de copeira hospitalar senac

Curso de copeira hospitalar senac. Aprenda como deve ser a alimentação em um hospital. Qualquer um de nós pode ser internado em um hospital. A qualquer momento e por qualquer motivo. 

Você é cuidado, cercado de profissionais que zelam pela sua saúde. Se puder comer é sorte, pois às vezes isso não é possível devido à condição do paciente. 

Agora, se você pode comer, e não é um lugar idílico para desfrutar das refeições, a alimentação no hospital é cuidada com cuidado e você deve seguir algumas recomendações que vamos revisar.

De acordo com as últimas publicações revisadas sobre o estado nutricional de pacientes internados em hospitais no Brasil, pode-se concluir que uma em cada quatro pessoas está em risco de desnutrição no início da internação. Ou seja, a precária situação nutricional com a qual entram deve ser um aspecto essencial a ter em conta durante a sua estadia.

Essa prevalência de desnutrição é maior em pessoas com doenças crônicas, que são mais propensas a ter complicações durante a internação e a ter uma permanência mais longa.

 A desnutrição implica em pior evolução das feridas, maior número de doenças ou complicações relacionadas ao motivo da internação, permanência mais longa e maiores gastos com saúde. Mas esses dados não são exclusivos do nosso país, mas as estatísticas europeias são semelhantes.

Embora devamos ter em mente que há muita variabilidade na abordagem da desnutrição em cada hospital, aspecto em que depende do quadro de pessoal e de sua localização, nem sempre a avaliação da desnutrição é realizada na admissão hospitalar.

 Vários estudos investigaram os benefícios e custo-efetividade da abordagem terapêutica precoce dessa avaliação em pacientes desnutridos, mostrando que reduzem significativamente a morbimortalidade associada, bem como o tempo de internação hospitalar.

Em princípio, os cardápios são supervisionados por especialistas em Nutrição e, além de nutritivos, são balanceados e levam em conta as diretrizes alimentares mais atualizadas. As dietas padrão são geralmente estabelecidas: um menu normal, um menu com pouco sal ou sem sal, um menu para diabéticos, um menu para pessoas com restrição de proteínas ou para pessoas com alergias…

Curso de copeira hospitalar senac

São aspectos que são levados em conta e estabelecidos de forma genérica, mas não personalizados aos gostos e crenças de cada um. É verdade que não seria viável fazer um cardápio à la carte em todos os hospitais, mas o paciente deveria poder colaborar mais na hora de preparar seu cardápio diário, sempre de acordo com a proposta feita pelo hospital.

Ter que evitar condimentos ou até sal limita a palatabilidade dos pratos, algo mais fácil de fazer na cozinha de sua casa. O tipo de população atendida nos hospitais é muito heterogênea de acordo com a idade, aspectos culturais e religiosos, patologias tratadas, etc.

As diretrizes de alimentação hospitalar são muito rígidas e, embora as sociedades científicas estimulem a possibilidade de liberalização da dieta, é comum receber reclamações sobre alimentação nos hospitais.

O planejamento de dietas em um hospital é uma tarefa trabalhosa e difícil, pois tenta integrar as recomendações dietéticas estabelecidas para situações de saúde e doença no campo da alimentação coletiva.

Curso de copeira hospitalar senac

Em geral, existem menus para crianças e adultos, bem como aqueles adaptados às necessidades de cada um, como disfagia ou problemas de deglutição. Existem dietas normais, de textura macia ou fácil de mastigar, dietas amassadas para pessoas com disfagia.

Alergias e intolerâncias também são levadas em conta, mas sempre de forma genérica por grupos, não personalizados, o que em centros com grande volume de pacientes seria inviável ou pelo menos extremamente complexo. A classificação em dietas para hipertensos e diabéticos, com baixo teor de gordura ou com restrição proteica são as mais comuns.

Dentro da disponibilidade do cardápio de cada hospital, escolhe-se a solicitação de cada paciente, e em geral são adaptadas às recomendações que os Guias Alimentares oferecem para a população.

Deve-se ter em mente que as pessoas hospitalizadas têm necessidades energéticas adaptadas à sua situação funcional e doença atual: recebem tratamentos muito variados durante a internação, têm suplementos diários de soroterapia, estão em um ambiente desconhecido, com desconforto físico e psicológico devido à sua renda,…

Ou seja, embora o contexto não seja o ideal para uma nutrição ideal, isso não deve ser desculpa para não oferecer uma variedade de alimentos saudáveis ​​em quantidade e qualidade.

Curso de copeira hospitalar senac – Tamanho das porções no Hospital

Outro aspecto fundamental a considerar deve ser o tamanho das porções que são oferecidas, e que devem ser adaptadas a cada pessoa, embora sejam oferecidas cinco refeições por dia de acordo com as recomendações. Isso você pode aprender em um Curso de copeira hospitalar senac.

Curso de copeira hospitalar senac

Em casos de ingestão insuficiente, o pessoal do centro devidamente qualificado deve avaliar as causas e registrá-las sistematicamente para tomar as decisões apropriadas. Nesses casos, as refeições devem ser individualizadas, adaptadas e enriquecidas ou complementadas com suplementos nutricionais, se necessário, para atender às necessidades do paciente.

Dentre todos os grupos de alimentos, cereais, massas, arroz e farinhas com os quais são feitas as refeições devem ser parte integrante da preparação de uma boa alimentação no hospital.

Consumir os cinco pedaços diários de frutas e/ou verduras recomendados é mais fácil no hospital porque são feitas pelo menos quatro refeições diárias, com frutas em qualquer uma delas (mas sempre naturais, não em calda). O ovo ou o peixe devem estar presentes nas ementas diárias, combinando com vegetais, leguminosas ou vegetais.

Duas ou três rações diárias de laticínios são uma meta alcançável na nutrição hospitalar, pois permite que sejam distribuídas nas refeições diárias.

A carne é um alimento que fornece vitaminas, minerais, proteínas de alto valor biológico e gorduras. Pode ser cozinhado de muitas maneiras diferentes: grelhado, cozido, assado ou guisado, apresentado com legumes, batatas ou leguminosas. Seu preparo em frituras ou empanados deve ser evitado devido ao seu alto teor de gordura e ingestão calórica.

As carnes processadas contêm sais e conservantes que devem ser limitados na dieta hospitalar. O preparo desses produtos deve ser manual na própria cozinha, se possível, com pedaços de carne que são picados posteriormente. Pratos de carne devem ser acompanhados de legumes, verduras, legumes para serem saudáveis ​​e ricos em todos os nutrientes.

Curso de copeira hospitalar senac

Como orientação, o recém publicado guia sobre alimentação saudável para grupos de cidadãos e Atenção Primária recomenda porções de carne de cerca de 125-150 gramas que devem ser consumidas alternadamente com peixe, ovos ou leguminosas em uma quantidade de uma a três porções diárias.

As carnes devem ser preferencialmente magras, sem gordura visível. As carnes brancas, como frango ou coelho, têm quantidades de gordura semelhantes às de certas partes do porco, como lombo ou lombo. Mesmo a carne bovina, dependendo da peça cortada, pode fornecer mais ou menos gordura. Essa combinação de carnes permite preparar pratos cada vez mais saudáveis, criativos e aceitos pelos pacientes internados.

E não esqueçamos que compotas ou conservas de frutas, ou manteiga, não são recomendadas para o café da manhã. Um bom café da manhã com frutas, grãos integrais em forma de pão fatiado e laticínios é a melhor opção.

Leave a Reply

Your email address will not be published.